beth xadrez

Política

beth xadrez - ‘Áreas ligadas ao agro devem estar aglutinadas no mesmo esforço’, diz Jardim, da FPA

O vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária na Câmara também defende atuação da Conab como central de inteligência do setor

Os novos coordenadores das frentes parlamentares Ambientalista e da Agropecuária buscam o diálogo para melhorar a produtividade agrícola sem prejudicar o meio ambiente. Com o início da nova legislatura, as duas frentes serão relançadas na primeira semana de março. A Frente Parlamentar Ambientalista promove evento de relançamento no dia 1º, e a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), no dia 7. Na pauta mais imediata das duas frentes estão as mudanças na Esplanada que dividiram o Ministério da Agricultura e Pecuária e a recente tragédia climática que provocou mortes no litoral norte de São Paulo.

+ Leia as últimas notícias de Política no site do beth xadrez

O vice-presidente da FPA na Câmara, o deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), disse, em entrevista à Rádio Câmara, que a frente vai buscar reverter duas medidas do novo governo:

  1. Transferência da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) do Ministério da Agricultura para o do Desenvolvimento Agrário;
  2. Absorção do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Plano de Regularização Ambiental pelo Ministério do Meio Ambiente.

“Nós sempre consideramos que áreas ligadas ao agro devem estar aglutinadas no mesmo esforço”, defendeu o congressista.

“A Conab é a verdadeira central de inteligência do agro” — Arnaldo Jardim

Sobre a Conab, Arnaldo Jardim destacou a importância estratégica do órgão para o setor. “A Conab é a verdadeira central de inteligência do agro. É ali que se projetam os cenários de safra futura”, afirmou o deputado.

Agroecologia

nilto tatto - pablo valadres - câmara dos deputados
Nilto Tatto | Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, o também deputado Nilto Tatto (PT-SP), defende uma perspectiva agroecológica na produção de alimentos. “Na própria política de reforma agrária para enfrentar a inflação e a fome”, destacou.

Para Tatto, o desafio do setor é preservar os biomas com o objetivo de minimizar os efeitos das mudanças climáticas. “Vamos trabalhar para que o governo avance na demarcação das terras indígenas, nos territórios quilombolas e comunidades extrativistas. Na criação de unidades de conservação, na perspectiva do cuidado, da biodiversidade”, disse o petista.

No Congresso Nacional, a frente vai buscar, segundo Nilto Tatto, barrar o PL 3729/04, que promove a revisão do licenciamento ambiental. Ele reconhece a necessidade de atualizar a legislação, mas não da forma prevista no projeto. “Não pode ser aquele projeto porque ele vai flexibilizar mais e, portanto, colocar mais gente em situação de risco, causando mortes como a gente assistiu agora no litoral norte (SP)”.

Outra proposta criticada pela Frente Parlamentar Ambientalista é o PL 191/20, sobre regulamentação da mineração em terras indígenas.

_____

Editado por: Anderson Scardoelli.

_____

Saiba em primeira mão informações sobre agricultura, pecuária, economia e previsão do tempo. Siga o beth xadrez no Google News.

beth xadrez Mapa do site